Home Destaques Esforço para fechar acordo Mercosul-UE ‘parece que começa a fazer água’

Esforço para fechar acordo Mercosul-UE ‘parece que começa a fazer água’

774
0

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou que o “grande esforço” de articulação para anunciar o acordo entre Mercosul e União Europeia, no ano passado, “parece que começa a fazer água” – ou seja, naufragar.

A declaração foi dada em uma videoconferência com entidades do setor de comércio. Mourão foi questionado sobre a criação de um grupo de trabalho para avançar negociações no âmbito do acordo, antes mesmo da ratificação pelos países.

Ao responder, Mourão não falou de problemas internos, mas citou três desafios da vizinha Argentina, principal parceira comercial do Brasil: uma “crise continuada” para lidar com a dívida pública, o aumento nos casos de Covid-19 e atrasos nas licenças para a venda de automóveis.

“Então, esses problemas se apresentam [com a Argentina] nesse momento, em que o grande esforço que foi feito no ano passado da articulação desse acordo Mercosul-União Europeia, parece que começa a fazer água”, disse Mourão.
“Então, realmente nós temos que ter uma equipe aqui em condições de estar negociando permanentemente, não só com nossos parceiros do Mercosul, bem como com a União Europeia”, acrescentou Mourão.

O acordo de livre comércio entre Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e União Europeia foi anunciado em 2019, depois de 20 anos de negociações. Os dois blocos juntos reúnem cerca de 750 milhões de consumidores.

Para começar a vigorar, o acordo precisa ser aprovado pelos parlamentos dos países envolvidos. No entanto, alguns países europeus vêm alegando que a posição do governo Bolsonaro com relação ao meio ambiente é um empecilho para a ratificação do acordo.

Alemanha e Amazônia
Mourão afirmou que há “ruído” na comunicação sobre o acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia e criticou a cobertura da imprensa sobre a posição da chanceler alemã, Angela Merkel.

Na última semana, a porta-voz de Merkel, Stephan Seibert, afirmou que a chancelar tinha expressado “sérias dúvidas” sobre o futuro do acordo em razão da situação da floresta amazônica no Brasil.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here