Home Destaques Mercado aposta que Banco Central deverá manter taxa de juros

Mercado aposta que Banco Central deverá manter taxa de juros

4021
0
Banco Central do Brasil em Fortaleza

Enquanto o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tenta dar sinais ao mercado financeiro de que está conseguindo avançar nas conversas com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sobre o desenho do novo arcabouço fiscal — sem abrir o teor da proposta —, agentes financeiros reiteram a aposta de que a taxa básica da economia (Selic) será mantida na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central,.
de que a taxa básica da economia (Selic) será mantida na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central,.

O Copom desta semana coincide com os mesmos dias da reunião do Fomc, comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos). Analistas preveem que o Copom mantenha a Selic no patamar atual e que o Fed diminua o ritmo de alta dos juros norte-americanos de 0,50 ponto percentual para 0,25 ponto.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, demonstra preocupação com o fato de Haddad levar tanto tempo para apresentar o arcabouço fiscal. Para o analista, a demora pode sinalizar uma proposta ruim, que acabe tirando muitas despesas da regra do teto de gasto e, assim, jogar por terra o compromisso com o equilíbrio fiscal. “Não dá pra acreditar em queda de juros antes de o arcabouço ser aprovado pelo Congresso”, alerta. Vale prevê que o Copom só deverá iniciar o novo ciclo de queda da Selic a partir do terceiro trimestre deste ano.

A Associação Brasileira de Bancos (ABBC) também projeta, para esta semana, a manutenção da taxa de juros em 13,75%. “Acreditamos que a Selic deva ser mantida, ainda que tenham ocorrido alguns eventos no sistema bancário internacional que trazem riscos consideráveis à estabilidade financeira e ao cenário econômico”, aponta Everton Gonçalves, Superintendente da Assessoria Econômica da ABBC, em nota.

Alberto Ramos, chefe de estudos para a América Latina do Goldman Sachs, também avalia que o Copom manterá a taxa Selic inalterada em um restritivo 13,75%. A autoridade monetária deve ainda, segundo ele, reiterar uma postura vigilante, apesar do enfraquecimento da atividade econômica, com sinais de desaceleração do mercado de trabalho e das condições de crédito mais restritivas.

“Esperamos que o Copom manifeste desconforto com a deterioração adicional das expectativas de inflação de curto e de médio prazos desde a última reunião (que leva a uma trajetória de inflação projetada mais alta e aumenta o custo da desinflação) e o alto nível e rigidez do núcleo da inflação; isso provavelmente limitará o escopo para uma flexibilização precoce e agressiva da política monetária, embora, em nossa avaliação, não elimine totalmente o espaço para um início lento de um ciclo de flexibilização até o terceiro trimestre de 2023”, observa.

A XP Investimentos também reforça as apostas de manutenção da Selic em 13,75% no Copom desta semana, mesmo patamar que a instituição prevê para a taxa de juros básica no fim do ano. “Reconhecemos, entretanto, a possibilidade de cortes mais cedo, a depender da evolução dos choques financeiros e da forma que o Copom optará por administrar o balanço entre desaceleração da atividade e convergência da inflação”, avalia a empresa. Segundo a XP, a inflação continua pressionada com aumento das projeções para o IPCA deste ano de 5,6% para 5,4%; as do ano que vem, de 3,4% para 3,5%.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here